Servidor público esquecido, serviço público falido

Leilane Ribeiro de Oliveira - Presidente do SINPECPF - 28/10/2013

Hoje, dia 28 de outubro, comemora-se mais um “Dia do servidor público”, embora nada ou muito pouco exista de fato para comemorar. O atual governo segue ignorando as demandas do funcionalismo e o clamor popular por serviços públicos de maior qualidade. Fecha os olhos para problemas estruturais que diversas carreiras enfrentam, como é o caso dos servidores administrativos da Polícia Federal, em verdadeira demonstração de descaso para com seu corpo profissional e para com o cidadão brasileiro.

A qualidade do serviço público depende fundamentalmente dos servidores que o executam. Exatamente por isso, esses profissionais precisam ser valorizados. O serviço público deve primar pela eficiência, algo que depende de estrutura moderna, remuneração digna e planejamento estratégico por parte dos gestores da máquina pública. Salvo raras exceções, não é o que se vê hoje em nosso país.

Peguemos o exemplo dos servidores administrativos da Polícia Federal, que hoje são mal remunerados e dispõe de estrutura precária para realizar suas atividades (o que inclui a própria falta de pessoal). O governo não age de forma estratégica para resolver o problema (o que seria possível com a reestruturação da carreira e com investimentos).

Embora nossa categoria já tenha provado que a reestruturação da carreira administrativa seria extremamente benéfica para a sociedade – afinal, combateria o desvio de função de policiais para atividades administrativas e a terceirização irregular de atividades de segurança pública –, o governo jamais se apressou para solucionar o problema. Em vez disso, reforça as já mencionadas soluções “tapa buraco” que são o desvio de função e a terceirização irregular.

À longo prazo, essa falta de planejamento estratégico acaba custando caro para a sociedade, que paga por um serviço administrativo de menor qualidade, deixando ainda de contar com policiais na linha de frente do combate ao crime (função para qual eles foram designados) e vê funcionários terceirizados terem acesso a dados sigilosos de todo o tipo, expondo ainda mais a já precária segurança de nosso país.

É preciso que servidores públicos sejam corretamente valorizados e que exerçam seu trabalho em um ambiente propício e saudável. Não é possível prestar um serviço de excelência quando existe assédio moral e desvio de função. Nenhum servidor consegue trabalhar motivado em uma estrutura que consente em preencher espaços com as peças erradas.

Quantos recursos poderiam ter sido economizados colocando os profissionais corretos para fazer o serviço administrativo? Quantos crimes poderiam ter sido evitados ou punidos caso os policiais desviados de função voltassem a trabalhar suas verdadeiras atribuições? São perguntas que a sociedade deseja ver respondida na prática, através de medidas efetivas para a melhoria da segurança pública, entre as quais a reestruturação da carreira administrativa da Polícia Federal.

Apesar dos pesares, parabéns a todos os servidores públicos e especialmente aos servidores administrativos da Polícia Federal, profissionais que literalmente tiram “leite de pedra” para que o órgão siga ostentando boa imagem perante a sociedade. Imagem essa que poderia ser ainda melhor, e é por isso que aproveito este “Dia do Servidor” para cobrar do governo que o funcionalismo seja visto e respeitado não apenas no dia de hoje, mas em todos os dias de todos os anos.

Enquanto o servidor público seguir esquecido, a sociedade terá acesso a um serviço público falido.

Comentários Recentes

Somente Logado!

Registrar