Frente Parlamentar realiza seminário sobre problemas da PF

A Frente Parlamentar de Apoio à Reestruturação da Polícia Federal promove nessa quinta-feira (5) seminário com  o intuito de entender melhor os problemas da Polícia Federal, obtendo subsídios para elaboração de projeto de lei propondo mudanças estruturais para o órgão. O evento, de iniciativa do deputado Otoniel Lima (PRB/SP), será realizado no Plenário 6 do Anexo 2 da Câmara dos Deputados, das 10h00 às 18h00.

Preocupado com os altos índices de suicídio na PF, Otoniel Lima decidiu voltar ao tema e aprofundar o debate sobre ele durante o seminário. Para tanto, convidou a pesquisadora Ana Magnólia, da Universidade de Brasília, para entender o problema e buscar soluções que possam colocar um ponto final no mesmo.

O Seminário terá mais três temas relevantes para a corporação. São eles: Evasão, Dificuldade de Fixação dos Policiais e Estrutura Policial Brasileira e a Crise do Atual Modelo de Segurança Pública. O colega técnico em assuntos educacionais Eduardo Schneider será um dos palestrantes que irão debater a dificuldade de fixação dos servidores. Indicado pelo SINPECPF, ele abordará,  entre outras questões, a preparação dos policiais realizada na Academia Nacional de Polícia.

Após o seminário, Otoniel Lima pretende escrever carta aberta ao Ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, solicitando explicações sobre os problemas que acometem a Polícia Federal.

Confira a programação do evento:

10h, 1ª parte Suicídio.

3.1. – Ana Magnólia - Pesquisadora, Doutora em psicologia da UNB. (confirmada) Professora do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho e do Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e do Trabalho e das Organizações - PSTO do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB). Estágio pós-doutorado no Conservatoire National des Arts et Métiers (CNAM), Paris, doutorado em Psicologia pela UnB e sanduíche na Universidade de Bath, Inglaterra, mestrado e graduação em Psicologia. Coordenadora do Laboratório de Psicodinâmica e Clínica do Trabalho, onde orienta teses, dissertações e monografias nas temáticas: organização do trabalho, prazer-sofrimento e saúde; estratégias de mediação do sofrimento; patologias e adoecimento psíquico; violência no trabalho; práticas em clínica psicodinâmica do trabalho. Pesquisadora do CNPq desde 1996. Coordenadora do GT Psicodinâmica e Clínica do Trabalho na ANPEPP.

3.2. – Fernanda Duarte – Pesquisadora da Universidade de Brasília. (confirmada) Investiga-se os modos de gestão da organização do trabalho, o prazer-sofrimento e o processo de saúde-adoecimento em diferentes grupos ocupacionais. Tem como objetivos centrais: a organização do trabalho prescrito e real; a mobilização subjetiva e prazer, analisando a inteligência prática, o espaço de discussão, a cooperação, o reconhecimento e os modos de ressignificação do sofrimento; as defesas e as patologias do trabalho como sobrecarga, violência, assédio moral e suicídio; normopatia; narcisismo; e compulsões. Estuda práticas em clínicas do trabalho no Brasil, na França e na Bélgica, articulada a perspectiva da psicodinâmica e crítica social, analisando os dispositivos necessários para entender as condições de aplicação desta clínica, como se institui, e os efeitos que produz sobre a subjetividade e a organização do trabalho. Colocam-se como problema central desvelar as condições institucionais que podem ser favoráveis ou não a tais práticas.

3.3. – Dra. Alexandrina Maria Augusta da Silva Meleiro– Representante da Associação Brasileira de Psiquiatria-ABP Brasil. (confirmada). Médica Graduada pela Fundação do ABC – Doutorada em Psiquiatria pela Faculdade de Medicina da USP – Atualmente é médica da própria USP – Membro efetivo do Conselho Científico da Abrata – Membro da ABP – Possui extensa produção Científica literária e Congressos Nacionais e Internacionais.

3.4. - Doutor Malthus Fonseca Galvão – Professor da Psiquiatria da Faciplac, médico legista do IML (confirmada), Possui graduação em Ciências - Licenciatura Plena - Habilitação em Matemática pelo Centro de Ensino Unificado de Brasília (1985), graduação em Odontologia pela Universidade de Brasília (1987), graduação em Medicina pela Universidade de Brasília (1994), graduação em Direito pela Universidade de Brasília (2006), especialização em Medicina Legal, Odontologia Legal e Odontologia do Trabalho, mestrado em Odontologia Legal e Deontologia pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e doutorado em Ciências Médicas pela Universidade de Brasília (2008). Atualmente é Professor na Universidade de Brasília, (Adjunto de Medicina Legal MSC 1 - D20 medicina, direito e odontologia) na Faculdade de Medicina do Planalto Central e na Academia de Polícia Civil do Distrito Federal. É perito médico legista. Ex-Diretor do Instituto de Medicina Legal do Distrito Federal, ex-chefe do Laboratório de Antropologia Forense e ex-chefe do Núcleo de Ensino e Pesquisa do IML-DF. Tem experiência na área de Medicina e Odontologia, com ênfase em Medicina Legal, Odontologia Legal e Deontologia, atuando principalmente nos seguintes temas: medicina legal, identificação humana, desastres de massa, antropologia forense, odontologia legal, perícia médica e perícia odontológica e ensino a distância.

2ª parte de Suicídio, Desenvolver projetos sobre saúde do trabalhador.

3.5. - Arthur Lobato - Coordenador da Comissão de Combate ao Assédio Moral SINJUS-SERJUSMIG (2007-2013)  (confirmado), É autor de diversos artigos sobre o tema em jornais, revistas e internet. Foi o idealizador e redator da Cartilha De Combate Ao Assédio Moral, lançada com o especialista no tema, Dr. Roberto Heloani, e os diretores do SINJUS, SERJUSMIG, SITRAEMG. Teve participação como palestrante no Fórum Social Mundial 2009, sobre o tema e colaborou na redação do projeto Lei - combate ao assédio moral no serviço público, junto à intersindical do serviço público. Lei Complementar 116/2011. Tem atuado em elaboração de projeto de pesquisa sobre assédio moral no serviço público em parceria com a Dra. Margarida Barreto, entre outras atuações e trabalhos.

14:00h, Estrutura policial brasileira e a Crise do atual modelo de segurança pública.

Rodrigo Ghiringhelli de Azevedo – Professor de Ciência Criminal da Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul. (confirmado), Bolsista de Produtividade em Pesquisa nível 2 do CNPq, Graduado em Ciências Jurídicas e Sociais pela UFRGS (1991), Especialista em Análise Social da Violência e Segurança Pública (1996), Mestre (1999) e Doutor (2003) em Sociologia pela UFRGS, Pós-Doutor em Criminologia pela Universitat Pompeu Fabra (2009), Pós-Doutorando em Criminologia pela Universidade de Ottawa. Atualmente é professor adjunto da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, atuando nos Programas de Pós-Graduação em Ciências Criminais e em Ciências Sociais. Foi Coordenador do Curso de Especialização em Segurança Pública e Justiça Criminal da PUCRS, em convênio com a SENASP-MJ, e atualmente é Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da PUCRS. Tem experiência nas áreas de Direito e Sociologia, com ênfase em Sociologia Jurídica e Criminologia, tendo realizado pesquisas sobre os seguintes temas: informalização da justiça, reformas penais e administração da justiça penal, penas alternativas, concepções de política criminal dos operadores do direito, políticas públicas de segurança e municipalização da segurança pública. É líder do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas de Segurança e Administração da Justiça Penal, integrante do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, da Sociedade Brasileira de Sociologia e da International Sociological Association. É pesquisador associado do Instituto Nacional de Estudos Comparados Sobre Administração Institucional de Conflitos (INCT-INEAC).

15:00h, Evasão.

Renato Deslandes Figueiredo: Papiloscopista, policial Federal, graduado em Direito e Engenharia, Diretor de Comunicação da Fenapef. (confirmado).

15:30h, Dificuldade de fixação dos agentes.

SÉRGIO SENNA - Consultor da Câmara dos Deputados -  Doutor Psicólogo, doutor em psicologia (UnB), especializado em psicopedagogia (UFRJ), (2) Segurança Pública e Defesa Nacional (bacharel e mestre em Ciências Militares e especialização em Guerra Eletrônica e Direito Militar) e (3) planejamento estratégico e políticas institucionais (especializações em bases geo-históricas para a formulação estratégica e gestão de recursos de defesa. (confirmado).

EDUARDO SCHNEIDER MACHADO - Técnico em Assuntos Educacionais da Polícia Federal lotado na Academia Nacional de Polícia (ANP), ministra cursos de formação para policiais federais e futuros policiais, sendo ainda um dos responsáveis pelo planejamento pedagógico e programático de tais cursos. É mestre em Educação Física pela Universidade de Brasília, grau obtido com dissertação acerca do “Treinamento físico e aptidão física de policiais federais”. Indicado pelo SINPECPF. (confirmado).

Comentários Recentes

Somente Logado!

Registrar